(83) 9.8151-9357 - sintefpb@gmail.com / Av. Primeiro de Maio 720, Jaguaribe - João Pessoa-PB
twitterfacebookyoutube

IFSP promove Curso de Extensão “Reflexões sobre 21 de março: Dia Internacional de Combate ao Racismo” entre os dias 21 e 24 de março.

IFSP promove Curso de Extensão “Reflexões sobre 21 de março: Dia Internacional de Combate ao Racismo” entre os dias 21 e 24 de março.

O NEABI (Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas  do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo) promove Curso de Extensão em formato virtual, entre os dias 21 e 24 de março. O evento conta com o apoio do SINASEFE-SP, do Quilombo Cabeça de Nego, do Grupo de Pesquisa Eva Mariô (UFSCar Sorocaba) e também do Grupo de Pesquisa Laroyê (UFLA).

 

As inscrições estão abertas e vão até o dia 20 de março (sábado) através do formulário: https://forms.gle/GwnqQbGGdjt755Np7

 

A certificação será conferida aos 100 primeiros inscritos com 75% de frequência no evento. A presença será computada somente por meio de lista de presença que estará disponível durante as apresentações online e somente no horário da live. A carga horária total corresponde a 8 horas acadêmicas.

 

As mesas de debate e atividades da programação serão transmitidas simultaneamente no Canal Imprensa Sinasefe-SP do Youtube e também na página do sindicato no Facebook:

http://www.youtube.com/c/ImprensaSinasefeSP
https://www.facebook.com/sinasefesecaosp

 

Confira o texto “Reflexões sobre 21 de março: Dia Internacional de Combate ao Racismo”, redigido pelo professor José Oliveira (IFSP), organizador do evento e mediador dos debates:

Reflexões sobre 21 de março: Dia Internacional de Combate ao Racismo

Autor: José Oliveira 

Neste 21 de março de 2021 ocorrerá uma série de palestras e atividades culturais, data proposta pela ONU em função do Massacre ocorrida em Sharpeville, próximo de Johanesburgo na África do Sul , em 1960, tornou-se Dia Internacional de Combate ao Racismo, nele daremos uma revisitada de como estão as relações dos jovens negros nas universidades, conectadas com a análise da inserção dos jovens não brancos ao sistema educacional.

Por contextos históricos que até a contemporaneidade nos apresentam a necessidade de se estabelecer maior conexão entre os povos oriundos do continente africano após a sua forçada travessia do atlântico em que deixa um imensurável rastro de morte ecoados nas injustiças como a vivida por George Floyd nos EUA, a de João Alberto Silveira Freitas no supermercado Carrefour, a de Miguel em edifício de luxo em em Pernanbuco ao não ser protegido pela patroa de sua mãe, entre inúmeras outras formas de vida ceifadas. mortes não filmadas sempre ocorreram, por discriminações e preconceitos no Brasil e em toda diáspora Necropolíticas atuantes, corpos que podem simplesmente serem descartados e destinados à morte. Fatos que demostram o quanto temos que caminhar em busca de um país justo para todos.

Com as atividades, objetivamos uma integração entre os povos da diáspora africana, mostrando as mazelas do excludente sistema capitalista. Devemos debater e visibilizar as tragédias de mortes por asfixia, por armas de fogo, ou de criação de barreiras instransponíveis para a perfeita integrar na sociedade em sua totalidade. Na sequência analisaremos a questão do direito de conectividade nas comunidades periféricas da cidade de São Paulo em contexto de pandemia, estudos de como os algoritmos nas redes sociais podem desestabilizar a luta por integração dos povos pretos em uma sociedade dinâmica, aproximações à vida e história da escritora negra Maria Carolina de Jesus, lida em todos o planeta. Na atividade cultural vamos rever um pouco do TEN, Teatro Experimental do Negro a partir de como é a luta de um sobrevivente da chacina do Carandiru, fechando com uma discussão com os diretores do filme Cavalo, que abarca a luta pela preservação religiosa na contemporaneidade.

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

 

– MESA 1: EDUCAÇÃO E RACISMO
21 DE MARÇO (DOMINGO) | 16 HORAS

 

TEMA: Enfrentamento ao Racismo Sistêmico no Ensino Superior
CONVIDADO: Juarez Xavier (Unesp)

Docente da Universidade Estadual Paulista, graduação e pós-graduação; coordenador executivo do Núcleo Negro Unesp para Pesquisa e Extensão 2016-2020; Presidente da Comissão de Averiguação das Autodeclarações de Pretos e Pardos para o concurso vestibular pelo Sistema de Reserva de Vagas 2016-2020; Vice-diretor da Faculdade de Arquitetura, Artes, Comunicação e Design; pesquisador das relações étnico-raciais no Brasil.

TEMA: Necrovalores e as crianças negras
CONVIDADA: Ellen Gonzaga Lima Souza (UFABC)

Graduada em  Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP/SP, mestre  e doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar/SP. Atualmente é  professora adjunta no Departamento de Educação da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP e credenciada ao Programa de Pós graduação em Educação UNIFESP, e coordenadora do Grupo de Pesquisa LAROYÊ – Culturas Infantis e Pedagogias Descolonizadoras.  Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: das relações étnico-raciais, Filosofia da Infância, Descolonização, Infâncias, Religiosidade Afro-Brasileira e Formação de professores/as.

 

– MESA 2: ONTEM E HOJE: A EXCLUSÃO CONTEMPORÂNEA NA CULTURA E NA LITERATURA

22 DE MARÇO (SEGUNDA) | 18 HORAS

TEMA: Racismo Estruturado e Algoritmos
CONVIDADO: Marcos Silva e Silva (UFABC; ESPM; SEESP)

TEMA: Exclusão digital, a nova e velha face do racismo. As escolas nas periferias em tempos de pandemia
CONVIDADA: Ruth Rodrigues Reis (Pesquisadora USP; Diretora da EMEF Saturnino Pereira)

TEMA: O Brasil e suas relações raciais por uma ótica preta e feminina: Carolina de Jesus e suas escritas que sangram e acalentam
CONVIDADO: Michel do Neabi (IFSP e mestrando UFACB)

 

– MESA 3: SARAU: RAP, TEATRO E INTERVENÇÃO PATAXÓ
23 DE MARÇO (TERÇA) | 18 HORAS

 

APRESENTAÇÃO: Muká Mukaú, vamos unir e reunir!
CONVIDADA: Tamikuã – Ativista Pataxó da Aldeia Mãe Barra Velha em Porto Seguro (BA)

APRESENTAÇÃO: Rap, teatro e cultura
CONVIDADO: Kric Cruz – MC do Grupo de rap Comunidade Carcerária, sobrevivente do sistema prisional

APRESENTAÇÃO: Teatro Negro na escola Pública: arte como socialização e resistência.
CONVIDADO: Paulo Augusto Alves Pereira – professor de sociologia na rede estadual e no cursinho pré-vestibular UNEAFRO/Quilombaque, especialista em Educação pelo IFSP e dramaturgo pela SP-Escola de Teatro.

 

– MESA 4: ENCERRAMENTO: RODA DE CONVERSA COM EDSON BEZERRA
24 DE MARÇO (QUARTA) | 18 HORAS

 

Conversa com Edson Bezerra, diretor do filme Cavalo.
Atenção: O link do filme será disponibilizado para os inscritos via email.

 

Assista o trailer:

 

Contato da organização do evento: zfranoli@gmail.com

 

CARDS DAS MESAS PARA REDES SOCIAIS:

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um Comentário