(83) 9.8151-9357 - sintefpb@gmail.com / Av. Primeiro de Maio 720, Jaguaribe - João Pessoa-PB
twitterfacebookyoutube

CCJ aprova a PEC 32/20 e Reforma Administrativa segue para Comissão Especial

CCJ aprova a PEC 32/20 e Reforma Administrativa segue para Comissão Especial

 

Por 39 votos a 26, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara (CCJ) aprovou nesta terça-feira (25/05) a admissibilidade da PEC 32/2020, que prevê uma “Reforma Administrativa” no país. Os deputados aprovaram o parecer do deputado Darci de Matos (PSD-SC), considerando a proposição aceitável para tramitar na Câmara. Agora, o conteúdo da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) será analisado por uma comissão especial.

 

 

Debate atropelado e votação

Pedindo a retirada da PEC da pauta, a oposição tentou adiar a votação, mas não obteve o apoio necessário. A liderança da minoria na Câmara transmitiu o debate via Facebook, foram mais de cinco horas denunciando o ataque aos serviços públicos previsto na PEC:

 

 

Alterações

O relator da PEC 32/20 alterou alguns itens enviados pelo governo Bolsonaro, retirando do texto:

 

  • proibição para que servidores ocupantes de cargos típicos de Estado possam exercer qualquer outra atividade remunerada;
  • autorização ao presidente da República para extinguir autarquias e fundações;
  • os novos princípios da administração pública previstos pelo governo como  “imparcialidade”, “transparência, inovação, responsabilidade, unidade, coordenação, boa governança pública” e “subsidiariedade”.

 

Resistência e mobilização

 

Comentado esta primeira etapa da tramitação da PEC 32/20, David Lobão, coordenador geral do SINASEFE, e representante da entidade no Fonasefe, destaca problemas da PEC e os próximos passos da mobilização dos trabalhadores. “Os movimentos sociais, parlamentares da oposição e muitos teóricos e estudiosos da constituição mostraram o quão nociva é esta PEC e o seu caráter de ferir as cláusulas pétreas, logo, a PEC não deveria ter sido admitida” defende.

 

“Iniciamos um novo momento de debates, quando é preciso denunciar que a PEC tira do governo a responsabilidade de atender de verdade ao povo. Ela retira dele a responsabilidade com a saúde pública, com a educação pública e com a assistência social” explica Lobão.

 

“Ao povo e aos servidores públicos compete resistir à este ataque contra os serviços públicos: é o momento de ir para as ruas. Vamos nos somar às mobilizações já convocadas para este dia 29/05 e levar nossa bandeira de luta contra a PEC 32/20, em defesa dos serviços públicos! convoca o coordenador.

 

 

 

Via Sinasefe *Com informações do Congresso em Foco.

 

 

News

Deixe um Comentário