(83) 3221-0160 / 9316-8181 - Av. Primeiro de Maio 720, Jaguaribe - João Pessoa-PB
twitterfacebookgoogleyoutuberss

Contra PEC de Bolsonaro, parlamentares recriam frente pró-Previdência

Contra PEC de Bolsonaro, parlamentares recriam frente pró-Previdência

Fonte: Carta Capital | Por: Thaís Reis Oliveira | 20 de março de 2019

.

Trinta senadores e noventa deputados assinaram o texto até agora, além de mais de 100 entidades de classes

.

Prestes a receber o texto que altera as regras de aposentadoria dos militares, a oposição se organiza para barrar a Previdência do governo Bolsonaro. Foi relançada nesta quarta-feira 20 a chamada Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social, que reúne representantes da Câmara e do Senado.

Trinta senadores e noventa deputados assinaram o texto até agora, além de mais de 100 entidades de classes. Esse número deve aumentar nas próximas horas, já que os interessados podem formalizar o apoio ao longo do dia.

Coordenam a iniciativa o senador Paulo Paim (PT) e o deputado André Figueiredo, líder do PDT na Câmara – o partido fechou questão contra Reforma. O grupo deve apresentar uma proposta alternativa. “Da forma como está agora, essa reforma destrói a Previdência. Somos contra o desmonte da solidariedade entre gerações”, avalia o deputado Alessandro Molon (PSB), líder da oposição na Câmara.

A organização já havia sido lançada em 2016, quando a PEC foi apresentada pelo governo Temer. Nessa nova roupagem, os parlamentares criticam principalmente o regime de capitalização e as diferenças entre a proposta dos militares e do regime geral. “Esse governo tem que entender que a Previdência brasileira não é do sistema financeiro. Sistema de repartição é cláusula pétrea”, diz Paim.

Na legislatura anterior, o total de apoiadores chegou a 270 na Câmara e 23 no Senado.

 

.

➤ Leia também: 

.
Previdência de Bolsonaro colocará a maioria na miséria absoluta

 “Capitalização transformou adultos de classe média em idosos pobres”

Privatizar a previdência foi um fracasso em todo o mundo, diz OIT

 

Deixe um Comentário