(83) 3221-0160 / 9316-8181 - Av. Primeiro de Maio 720, Jaguaribe - João Pessoa-PB
twitterfacebookgoogleyoutuberss

STF impõe derrota ao Movimento Escola Sem Partido

STF impõe derrota ao Movimento Escola Sem Partido

Na última sexta-feira (24/04), o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou, por unanimidade, inconstitucional a legislação aprovada pela Câmara de Vereadores de Nova Gama-GO que tentava censurar seus profissionais de Educação com a desculpa de combater a “ideologia de gênero”.

O sofisma “ideologia de gênero” foi desde sempre um elemento central do discurso do Escola Sem Partido. Sob esse termo sem reconhecimento acadêmico, nem científico, cunhado e defendido no âmbito de movimentos religiosos de ultradireita e fascistas, tentava-se impedir qualquer discussão que envolvesse ainda que de maneira tímida e tangencial o combate às discriminações sexistas, a defesa dos direitos das mulheres e das minorias sexuais, vinculando-os à perversão, à marginalidade e à criminalidade.

De acordo com levantamento realizado pela Frente Escola Sem Mordaça, existem cerca de 121 Projetos de Lei (PLs) semelhantes, espalhados em Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas, boa parte já suspensos por decisões judiciais. Em casos extremos, mesmo a palavra “gênero”, ainda que utilizada em construção frasal de conteúdo absolutamente diverso, como por exemplo “gênero alimentício”, foi censurada. Mesmo as palavras “transversalidade” e “transdisciplinaridade” foram proibidas por se assemelharem com “transexual”. Os valores mais fundamentais do Estado de Direito foram sistematicamente violados por uma defesa insana, intolerante e deliberada do fascismo e do patriarcado.

A decisão do STF significa um duro golpe nesse movimento em prol da ignorância e do delírio intolerante. Um trecho do voto proferido por Edson Fachin ilustra o conteúdo deste ato: “o reconhecimento da identidade de gênero é, portanto, constitutivo da dignidade humana. O Estado, para garantir o gozo pleno dos direitos humanos, não pode vedar aos estudantes o acesso a conhecimento a respeito de seus direitos de personalidade e de identidade”.

Tal vitória se soma à outras, tais como a suspensão, por liminar, do ministro Luís Roberto Barroso do “Escola Livre”, em Alagoas – versão estadual do Projeto Escola Sem Partido -, e também a histórica decisão que equiparou a homofobia ao crime de racismo.

É com muito orgulho que lembramos que o SINASEFE foi o primeiro sindicato nacional a pautar como uma de suas prioridades o combate ao Movimento Escola Sem Partido e tudo o que este representava. Partiu de nós o chamado à construção da Frente Escola Sem Mordaça. E, coerentes com esse protagonismo, atuamos em todas as sessões da Comissão Especial que tentou tramitar o famigerado PL na Câmara Federal durante a legislatura passada.

É com essa experiência que afirmamos: com a decisão do STF conquistamos uma trincheira importante, mas nosso inimigo está longe de estar derrotado. O Movimento Escola Sem Partido é intrínseco ao crescimento da ultradireita e existirá enquanto existirem o protofascismo e o bolsonarismo. Ainda que de forma criminosa, fascistas e viúvas da Ditadura Militar se empenham ainda em intimidar e perseguir alunos e profissionais da educação (como na publicação abaixo) muitas vezes com a cumplicidade, e quando não o estímulo de autoridades institucionais.

.

.

Veja alguns comentários abaixo!

(É isso que temos que fazer! Denunciar!)
.

.

Lutar contra o Escola Sem Partido é lutar contra o patriarcado, o fascismo e todas as expressões autoritárias e ditatoriais. Devemos festejar essa vitória aprofundando ainda mais a unidade de todos os trabalhadores e estudantes em defesa dos valores humanistas e democráticos, por uma Educação Pública, Gratuita e a serviço da emancipação dos trabalhadores.
.

Contra o Escola Sem Partido!
Em defesa de uma Educação libertadora baseada no trabalho como princípio educativo!
E Fora Bolsonaro!

.

Direção Nacional do SINASEFE

.

.

Leia também

Conteúdo relacionado

Deixe um Comentário