(83) 9.8151-9357 - sintefpb@gmail.com / Av. Primeiro de Maio 720, Jaguaribe - João Pessoa-PB
twitterfacebookyoutube

• SOCIEDADE • POLÍTICA • JUSTIÇA | 4 anos e queremos saber: “quem mandou matar Marielle e Anderson?”

• SOCIEDADE • POLÍTICA • JUSTIÇA |  4 anos e queremos saber: “quem mandou matar Marielle e Anderson?”

Há quatros anos a vereadora do Rio de Janeiro-RJ Marielle Franco foi executada brutalmente. Junto com ela morreu o seu motorista, Anderson Gomes.

 

Levou quase um ano até que os assassinos fossem presos: Ronnie Lessa e Élcio Vieira de Queiroz, ambos ex-policiais militares, estão na cadeia.

 

Um dirigiu o carro, o outro deu a saraivada de tiros que matou Marielle e Anderson. Por “coincidência” e “pura obra do destino”, um deles era vizinho do atual Presidente da República, Jair Bolsonaro.

 

Se antes perguntávamos “quem matou Marielle?”, a pergunta passou a ser “quem mandou o vizinho do Presidente matar Marielle?”.

 

E essa pergunta segue sem resposta. Lessa e Queiroz nada falam sobre quem encomendou o crime. Mas isso não desmotiva as pessoas que pedem Justiça para Marielle e Anderson e prisão para todos os envolvidos neste crime.

 

Mulher, negra, LGBT, socialista e lutadora, Marielle defendia a população socialmente mais vulnerável e despertou a ira da elite mesquinha e conservadora que apoiou o golpe de Estado de 2016. Não foi à toa que tantas notícias falsas, buscando depreciar a biografia de Marielle e destruir sua reputação e caráter, surgiram após seu assassinato ganhar repercussão.

 

Faz quatro anos que Marielle foi tirada de sua filha, de sua esposa, de sua família, de seu mandato no parlamento e de sua militância. Mas quem quis silenciar o discurso de Marielle, não conseguiu. Marielle floresceu, se multiplicou: hoje temos muitas Marielles não só na cidade do Rio de Janeiro-RJ, mas espalhadas por todo o Brasil.

 

Continuaremos cobrando do Estado Brasileiro a devida Justiça para Marielle e Anderson até que ela seja feita. E, quando ela for feita, seguiremos celebrando a memória de Marielle e encampando a luta que era dela e que também é nossa: a luta por uma sociedade justa, igualitária, fraterna, emancipada e sem exploração!

 

Conteúdo relacionado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um Comentário