(83) 3221-0160 / 9316-8181 - Av. Primeiro de Maio 720, Jaguaribe - João Pessoa-PB
twitterfacebookgoogleyoutuberss

O que explica a renúncia de Eduardo Cunha. – Fora da presidência da Câmara, o deputado vai tentar salvar o seu mandato e pode ajudar o governo interino de Temer.

O que explica a renúncia de Eduardo Cunha. – Fora da presidência da Câmara, o deputado vai tentar salvar o seu mandato e pode ajudar o governo interino de Temer.

Eduardo Cunha em entrevista coletiva nesta quinta-feira 7: ele chorou ao mencionar a família


Matéria retirada na íntegra da Carta Capital ( http://www.cartacapital.com.br/ ) – publicada em 07/07/2016

.

O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou nesta quinta-feira 7 à presidência da Câmara, da qual estava afastado desde maio por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Em entrevista coletiva concedida no início da tarde, Cunha se emocionou ao ler sua carta de renúncia e chorou ao agradecer o apoio da família.

“Resolvi ceder aos apelos generalizados dos meus apoiadores. É público e notório que a Casa está acéfala, fruto de uma interinidade bizarra que não condiz com o que País espera de um novo tempo após o afastamento da presidente da República. Somente minha renúncia poderá por fim a esta instabilidade sem prazo. A Câmara não suportará esperar indefinidamente”, disse o deputado.

O discurso de Cunha esconde uma estratégia para salvar a própria pele. 

No dia 14 de junho, depois de mais oito meses de manobras, o Conselho de Ética da Câmara finalmente aprovou a cassação do mandato de Cunha por quebra de decoro parlamentar. A cassação definitiva deverá ser votada pelo plenário da Casa e a expectativa de aliados do peemedebista é que ele perca a votação.

Diante da iminente derrota, Cunha conta com o apoio do presidente interino, Michel Temer(PMDB), para emplacar um aliado na presidência da Câmara. A expectativa é que o novo presidente beneficie Cunha de alguma forma na condução do processo.

Em reportagem publicada em 29 de junho, o jornal O Globo revelou que o Palácio do Planalto de fato embarcou no acordo. “Não dá para querer que ele renuncie sem o compromisso de que o sucessor não lhe seja hostil”, disse ao jornal um assessor do Planalto.

A renúncia seria uma contrapartida de Cunha a Temer. Para o Planalto, a saída de Cunha é positiva, pois abre espaço para um aliado do governo na presidência da Câmara. Essa posição pode ajudar a gestão interina quando esta deixar tal condição, após a conclusão do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

A intenção do governo de fechar o acordo com Cunha é tão evidente que o próprio Temer, também segundo o jornal O Globo, sugeriu a Cunha deixar o cargo. Os dois se encontraram na noite do domingo 3, no Palácio do Jaburu.

Com a renúncia de Cunha, a Câmara tem agora cinco sessões para realizar uma nova eleição – após a decisão do STF, a presidência da Casa foi assumida interinamente pelo deputado Waldir Maranhão (PP-MA), visto como fraco e sem legitimidade. O homem que parece ser capaz de presidir a Câmara de acordo com as necessidades de Temer e Cunha é Rogério Rosso (PSD-DF).

.


 

Abaixo, a íntegra da carta de renúncia de Cunha: 

Deixe um Comentário