(83) 3221-0160 / 9316-8181 - Av. Primeiro de Maio 720, Jaguaribe - João Pessoa-PB
twitterfacebookgoogleyoutuberss

32º CONSINASEFE – “Unificar a Luta da Classe Trabalhadora Contra os Ataques do Capital”. – Confira alguns destaques do evento.

32º CONSINASEFE – “Unificar a Luta da Classe Trabalhadora Contra os Ataques do Capital”. – Confira alguns destaques do evento.

Matéria por: SINASEFE NACIONAL


.

“A certeza na frente, A história na mão” começou com os versos de uma canção, outrora censurada, o 32º CONSINASEFE. “Pra não dizer que não falei das flores”, uma das músicas simbólicas da resistência à ditadura militar, se mantém atual e necessária diante dos desafios colocados aos lutadores. Além da abertura, com diversas saudações, foram debatidos o Regimento Interno, o Código Eleitoral, o credenciamento e recursos sobre sanções da 153ª PLENA.

 

Abertura

Após a abertura musical, os presentes homenagearam Marielle e Anderson, brutalmente assassinados em março passado. “Marielle e Anderson, presentes! Hoje e sempre!” entoaram os congressistas. Em seguida, os membros da Direção Nacional e da Comissão Organizadora do evento, Gleice Mari, Paulo Reis e Sérgio Roberto, abriram oficialmente os trabalhos.

Saudações de Entidades e Partidos

A primeira mesa do congresso foi de saudações. Rudnei Marques (Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado – FONACATE), Camila Crespo (estudante do Ocupa Universidade de Brasília – UnB), Edson Silva (Movimento de Resistência Popular – MRP), Moacir Lopes (Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social – Fenasps), Rogério Silva (Partido Socialismo e Liberdade – PSOL), Beth Dau (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado – PSTU), Bernardo Soares (Partido Comunista Brasileiro – PCB), Fernando (Confederação dos Educadores Americanos – CEA), David Lobão e Saulo Arcangeli (Central Sindical e Popular – CSP-Conlutas). Com exceção das entidades às quais o SINASEFE é filiado, os membros desta mesa falaram por quatro minutos cada. CEA e CSP-Conlutas tiveram dez minutos cada.

Rudnei pontuou que a atual conjuntura de desagregação pode ficar ainda mais nebulosa com a aproximação das eleições, e que o CONSINASEFE se realiza num momento oportuno para pensar em profundidade a conjuntura para traçar caminhos de superação. “A esquerda sonhou que poderia governar de mãos dadas com o capital”, criticou Rudney.

Fazendo um paralelo entre o legado das ocupações de 2016, e a combativa ocupação da UnB (iniciada em 12 de abril) Gabriela comentou que a unificação nas lutas na universidade de seu graças à vontade dos estudantes e trabalhadores de construírem a luta. “Ousamos lutar”, destacou Gabriela.

Os ataques absurdos do braço armado do Estado aos lutadores, e a perseguição que sofre foram destaque na intervenção de Edson. “Somente na luta é que vamos poder mudar esse país, tudo que o trabalhador construiu hoje foi na base da luta”, reforçou Edson. Ele também agradeceu o apoio do sindicato ao MRP.

Relembrando as recentes mobilizações indígenas e as ocupações dos estudantes, Moacir lembrou que mais de 1 trilhão de reais foi entregue para empreiteiras (em isenção de impostos) no último período. “Nada se faz sem estarmos unidos nas ruas”, finalizou Moacir.

Rogério apresentou diversos elementos que mostram a radicalização trazida pelo golpe, como por exemplo o avanço do autoritarismo. Ele comentou a importância da independência dos sindicatos diante dos governos e dos partidos. “O momento é de resistir e lutar”, destacou Rogério.

Retomando rapidamente o protagonismo das mulheres nas lutas recentes, Beth defendeu a organização dos ‘debaixo’ para derrubar ‘os de cima’. “Os nossos sonhos não cabem nas urnas”, frisou Beth.

Denunciando o ataque ao acampamento Lula Livre, em Curitiba, Bernardo defendeu um programa amplo e unitário para reverter os ataques aos trabalhadores. Ele destacou também a necessidade de manter a firmeza ideológica para evitar a colaboração de classes. “Que na jornada nada nos divida”, disse Bernardo.

Fernando questionou qual seria a proposta para enfrentar os ataques e o caos do capital. Ter uma agenda própria dos educadores pode ser um caminho, segundo ele. Ainda assim, a complexidade de se construir a unidade também foi lembrada por ele. “As alianças podem ser muitas e diferentes mas ter a agenda própria é fundamental, única forma de sobreviver no mundo de hoje”, defendeu Fernando.

Lobão destacou a necessidade de ter clareza dos inimigos a serem combatidos pelos trabalhadores, que segundo ele são os da direita. “Precisamos nos organizar para defender a educação pública de qualidade, sob uma unidade que respeite as diferenças”, afirmou Lobão.

Lembrando o perigoso avanço da privatização da educação, Saulo enumerou diversas lutas nas quais o SINASEFE e a CSP-Conlutas estiveram lado a lado, sendo que o sindicato nacional foi um dos primeiros a se filiar à central. “Quase 80% das matrículas na educação superior estão na rede privada, o que é um absurdo”, destacou Saulo.

Saudações das chapas da Gestão 2016-2018

A segunda mesa de saudação do 32º CONSINASEFE foi composta pelas cinco chapas que compuseram a Direção Nacional (DN) na gestão 2016-2018. Janaína Zanchin (chapa Avançando na Luta e na Democracia), Giane Carvalho (chapa O Nosso Partido é a Base), Maycon Bezerra (chapa Fórum Classista). Ariovan Martins (chapa Sinasefe Para Lutar) e Fabiano Faria (chapa Avançando na Luta e na Unidade), compuseram a mesa.

Ao saudar os participantes, Janaína defendeu que não há saída conciliatória para os trabalhadores, a única alterativa se dá nas ruas. Ela relembrou que o último biênio foi de muitos ataques aos trabalhadores, mas também de muitas lutas. “Temos um momento histórico neste congresso, que é o primeiro com eleição paritária”, destacou Janaína.

Pautando a unificação e a importância de denunciar a fragilidade da democracia, Giane se mostrou esperançosa. “Precisamos renovar as esperanças sem abaixar a cabeça”, pontuou Giane.

Comentando o momento de decomposição das instituições e a demolição da burguesia do pacto que mantinha, Maycon destacou a necessidade de organizar um polo classista dos trabalhadores. “Somente a movimentação dos trabalhadores e do povo, numa unidade ampla de ação é a saída independente e classista”, frisou Maycon.

Destacando a esperança que se renova com a chegada do CONSINASEFE, Ariovan Martins enumerou contradições existentes no caminho da construção da unidade no sindicato. “Há dois anos atrás, durante o 1º de maio em São Paulo, uma divisão clara já existia”, relembrou. Segundo ele, a Direção Nacional não conseguiu fazer a unidade nas bases, “muitos defendem a unidade, mas na prática ela não existe”, finalizou Ariovan.

Fabiano Faria fez uma analogia entre a tarefa colocada aos congressistas e a ideia do guitarrista Jimi Hendrix, em 1970, de construir a sinfonia da paz. Ele pontuou ainda a necessidade de cada um fazer o seu melhor. “Nossa oportunidade é essa, é hora de resistência, precisamos estar à altura do que o tempo nos exige” concluiu Fabiano.

Regimento Interno e Código Eleitoral

Após abertura e saudações, o debate de Regimento Interno e Código Eleitoral do 32º CONSINASEFE foram debatidos, reformados e aprovados pelo plenário do fórum. As alterações mais relevantes foram relativas ao credenciamento do congresso, que foi adiado até às 13 horas de 29/04, e a posse dos eleitos, adiantada para 10 horas de 01/05.

Recursos e pendências de credenciamento

O plenário também analisou pendencias de credenciamento da Seção Sindical Águas Lindas e do IFBA, acatando os respectivos delegados destas Seções Sindicais. Os sindicalizados, e membros da gestão 2016-2018 da DN, Sílvio Rotter e Cátia Farago apresentaram recursos ao congresso, em relação às sanções aprovadas na 153ª PLENA. Ambos recursos foram rejeitados em votação.

 

Cobertura ao vivo do primeiro dia

Vídeos do primeiro dia
Fotos
Confira aqui o álbum de fotos do primeiro dia do 32º CONSINASEFE.

 

Sobre o Congresso
32º CONSINASEFE começou em 28 de abril e irá até 1º de maio, em Brasília-DF, tendo como tema “Unificar a Luta da Classe Trabalhadora Contra os Ataques do Capital”. O fórum possui caráter eleitoral e elegerá os membros da Direção Nacional (DN) e do Conselho Fiscal (CF) para o biênio 2018-2020.

Deixe um Comentário